Agricultoras do Sertão do Pajeú participam de minicurso Mulheres Eletricistas

Agricultoras do Sertão do Pajeú participam de minicurso Mulheres Eletricistas

A atividade fez parte da programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, do IFPE.

“Eu morria de medo de mexer com fio, e tremi demais para instalar um bocal e uma tomada, mas perdi o medo. Cheguei em casa, fui treinar em uma tomada, e deu certo. Agora não preciso mais pedir para meu marido, eu vou lá e já troco uma luz, uma tomada. Esse curso me deixou mais corajosa”, disse Bernadete da Conceição, da comunidade Bonsucesso, do município de Ingazeira. Ela é uma das oito agricultoras que participaram do Minicurso Mulheres Eletricistas, realizado pelo Instituto Federal de Pernambuco do Campus de Afogados da Ingazeira e a Casa da Mulher do Nordeste.  As mulheres fazem parte do projeto Mulheres, Tecnologias e Agroecologia, executado pela CMN, com o apoio do BNDES e da Fundação Banco do Brasil.

A programação do minicurso, ministrado pela professora Camila Almeida, abordou conceitos básicos, sobre cuidados de segurança e apresentação das ferramentas utilizadas. E também uma aula prática, onde as mulheres aprenderam a instalar uma e duas lâmpada incandescente acionada por um interruptor de uma seção e de seção conjugado com uma tomada. Durante a aula, a professora explicou que a energia elétrica é segura, mas que precisa tomar cuidados, como: sempre desligar a energia elétrica quando realizar qualquer instalação, e utilizar as ferramentas adequadas, de preferência com bases isolantes. Para Sara Rufino, responsável pelo Projeto Mulheres Tecnologias e Agroecologia da CMN, esse curso contribuiu para a emancipação e autonomia das mulheres em relação à energia elétrica. “Infelizmente ainda vivemos em uma sociedade em que as mulheres sofrem opressões cotidianas, como aconteceu com uma agricultora que não participou do curso porque o marido disse que bastava ele saber sobre energia. Já outras que conseguiram participar, resolveram problemas que estavam passando em casa, como uma das agricultoras que concertou a bomba de água”, contou.

Mulheres agricultoras em sala do IFPE para minicurso de Eletricidade básica

Para Cláudia Tatiane, também de Bonsucesso, Ingazeira, foi mais um alerta dos riscos que a energia elétrica pode causar, e vai poder ajudar as amigas na hora de trocar uma lâmpada ou tomada. “Eu fiz o curso de eletricidade com a professora Camila, uma excelente profissional. Eu nunca tive medo de trocar uma lâmpada, mas não sabia dos riscos. A instalação da minha casa por exemplo é com fio branco, e agora sei que está errado. E quando as amigas precisarem, podem contar comigo.”

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.